quarta-feira, 2 de março de 2011

Findo

Quem eu sou?
Qual o preço da luz?
Eu posso pagar seus sacrifícios de sangue,
Rituais de entrega, minha vida é sua bagagem.
Meus olhos, seus descuidos, eles querem, eu quero.
Será que ainda posso pedir?
Ou já gastei minha cota de desejos impossíveis.
Me deixe fazer mais essa dívida,
Me espere, que chegarei findando,
Sou apenas o ultimo gosto.
Isso que resta, é eternamente seu.









Autor: Thiago Herek

3 comentários:

  1. "Será que ainda posso pedir?
    Ou já gastei minha cota de desejos impossíveis."


    Nada é impossível, quando se quer de verdade .

    ResponderExcluir